Post

Pós-operatório de artroscopia de LCA é decisivo para o sucesso da cirurgia

Pacientes que seguem corretamente as orientações dos especialistas tem menores chances de sofrerem novo rompimento

18/06/2019 08:28:30
Twitter     Facebook     Google     Linkedin
Pós-operatório de artroscopia de LCA é decisivo para o sucesso da cirurgia

LCA - Ligamento Cruzado Anterior é o nome do ligamento presente no joelho responsável por evitar movimentos bruscos de rotação e valgo, quando é forçado para fora. Este é um dos componentes que faz parte da estrutura do joelho que mais sofre lesões entre atletas amadores e profissionais.

Os motivos de rompimento de LCA são muitos, mas entre eles se encaixam especialmente a falha no aquecimento e alongamento antes do início das atividades físicas, a fadiga muscular, com pernas cansadas e ainda os movimentos brutos, que são diferentes dos acostumados pelos joelhos.

O tratamento para este tipo de lesão é quase sempre cirúrgico, feito atualmente por artroscopia: um procedimento minimamente invasivo, que diminui os riscos de infecção, a perda de sangue como em uma cirurgia convencional, resguarda musculaturas e outras regiões moles do joelho e que devolve os movimentos do paciente com menor tempo de recuperação.

Outro benefício importante deste procedimento é o menor tempo para a realização da manobra e a possibilidade do paciente sair do hospital no mesmo dia, sem necessidade de internação.

Uma cirurgia de sucesso depende do atendimento às orientações do médico

“O pós-operatório é decisivo para o sucesso dessa cirurgia”, comenta Dr. Paulo Cunha, ortopedista especialista em joelho da Clínica Orthop em Ribeirão Preto/SP. De acordo com ele, quando há reconstrução do LCA, são necessários seis meses para a vascularização do novo tendão que foi enxertado e que por isso, as atividades devem ser leves ou moderadas.

“O paciente sai do hospital com muletas. Depois de 20 dias da artroscopia, consegue andar, podendo pedalar, ir na academia, fazer hidroginástica e outras atividades de baixo impacto. Voltar a correr, somente depois de 4 meses e retornar ao futebol, depois de 6 meses”, explica.  

Respeitar os próprios limites e o tempo de cicatrização são fundamentais, assim como é de responsabilidade do paciente agilizar a cura seguindo as orientações do médico. “Fisioterapia, por exemplo, acredito que seja fundamental, mas indico após 10 dias da cirurgia já que esses primeiros dias são mais suscetíveis a inflamações. O repouso, no caso, é essencial”, indica Dr. Paulo Cunha.  

Na primeira quinzena o paciente usará muletas, mas pode apoiar o lado operado no chão. É importante movimentar levemente o joelho corrigido para que não haja atrofia muscular e a região seja estimulada a receber circulação correta. Sentado em uma cadeira, o paciente pode realizar flexão e extensão várias vezes ao dia.

Nesse período são indicadas também bolsas de gelo por 20 minutos, três vezes ao dia para diminuir as chances de inflamação no local. Com evolução na recuperação, já é possível dirigir carro 15 dias após a artroscopia.  

Na segunda quinzena, deverá ser mantida muleta no lado normal e começar a apoiar peso no lado operado. Ganhando confiança, próximo a 20 dias após a cirurgia, já é possível dispensar o apoio, levando em consideração que o joelho operado ainda não está pronto para realizar rotações e, por isso, o lado operado deve andar sempre em linha reta.

Passado o primeiro mês da operação, o joelho deverá estar com movimentos de flexão e extensão normais. Porém, até a cicatrização completa do novo tendão, o período é crítico e todo cuidado é pouco para não haver nova ruptura do LCA, precisando refazer a cirurgia.

A fisioterapia deve ser reforçada nesse período, evoluindo os exercícios e movimentos respeitando as limitações. Caminhada moderada em linha reta passa a ser liberada no segundo mês; corrida em esteira no terceiro; caminhada rápida em todas as direções e corrida de rua no quarto; e no quinto mês começam os testes com bolas para a retomada de atividades esportivas, que deverão ser liberadas completamente no sexto mês.  

“Este é um protocolo comum entre a maioria dos especialistas, mas cada médico trabalha seguindo suas próprias considerações ao acompanhar a evolução do paciente. É fundamental seguir à risca as orientações que são recebidas”, finaliza Dr. Paulo Cunha. 



Comentários









Toninho

Dr. Eu operei dia 25 hj é 7. Eu ja consigo andar sem muleta. Tem algum problema?

07/06/2018 17:48:59