Post

O que é a displasia do desenvolvimento do quadril?

Conheça o distúrbio e deficiência que envolve o desenvolvimento anormal da articulação do quadril, podendo manifestar-se em diferentes idades.

20/06/2024 10:18:40
Twitter     Facebook     Google     Linkedin
O que é a displasia do desenvolvimento do quadril?

A Displasia do Desenvolvimento dos Quadris (DDQ) é um distúrbio e deficiência que envolve o desenvolvimento anormal da articulação do quadril, podendo manifestar-se em diferentes idades. Caracterizada pelo seu amplo espectro, a DDQ pode provocar problemas como: 

  • Subluxação: quando a cabeça do fêmur está parcialmente deslocada, mas ainda mantém algum contato com o acetábulo (onde se encaixa e articula a cabeça femoral); 

  • Luxação: quando a cabeça do fêmur se desloca completamente, sem nenhum contato com o acetábulo; 

  • Luxação teratológica: está presente antes mesmo do nascimento, sendo caracterizada pela redução da ADM (amplitude de movimento). Geralmente associada a problemas neuromusculares, como mielomeningocele e artrogripose. 

Determinar a causa exata da DDQ nem sempre é fácil. Isso porque há variações na definição, habilidade dos examinadores, nos tipos de exames para diagnósticos e população a ser estudada. No entanto, aproximadamente 1 em cada 1.000 recém-nascidos apresenta displasia de quadril. 

Existem fatores de risco?  

A DDQ apresenta etiologia multifatorial, ou seja, é uma condição determinada por uma série de fatores genéticos, hormonais e raciais. Por essa razão, apresenta alguns fatores de risco específicos que aumentam a probabilidade de desenvolver essa doença.  

Os fatores de risco são:  

  • Sexo feminino: Meninas têm maior chance de desenvolver displasia 

  • Gemelaridade: Gêmeos correm o risco de obter DDQ devido ao espaço limitado no útero 

  • Posição intrauterina ou pélvica: Quando o bebê fica sentado 

  • Posição em extensão dos joelhos: Quando ocorre a extensão dos joelhos dentro do útero 

  • Mães primigestas: Primeiras gestações podem estar associadas a um risco maior 

  • Posição pós-natal com o quadril e joelho estendidos: se o bebê é mantido com quadris e joelhos estendidos após o nascimento, isso pode contribuir para a DDQ. 

Além dos fatores de riscos, algumas condições estão frequentemente associadas à DDQ, incluindo torcicolo muscular congênito, pé metatarso aduto e luxação congênita do joelho. 

Importância da triagem: 

A detecção precoce da DDQ é essencial para um tratamento mais simples e efetivo. Para isso, é fundamental seguir um protocolo de triagem que inclui avaliações clínicas e radiográficas no 1º, 6º, 12º e 24º mês de vida. 

Displasia do desenvolvimento do quadril: Sintomas 

A displasia do quadril raramente causa dor em bebês ou crianças. No entanto, quando a criança cresce, os pais podem notar que ela anda de uma maneira diferente. Nesse ponto, a articulação do quadril já pode estar luxada, e um procedimento cirúrgico de grande porte pode ser necessário para corrigir o problema. 

Devido à ausência de dor, é essencial que os recém-nascidos com fatores de risco sejam avaliados e acompanhados por um médico ortopedista pediátrico.  

Avaliações médicas ajudam a identificar a displasia de quadril 

Como a dor não é comum, é importante realizar uma avaliação clínica para identificar a DDQ. Essa avaliação inclui: 

  • Testes de Barlow, Ortolani e Galeazzi 

  • Simetria das pregas glúteas 

  • Simetria da abdução dos quadris  

  • Padrão de marcha (maneira como a criança está andando). 

Além disso, é altamente recomendado que todas as crianças com fatores de risco para DDQ passem por exames complementares. A investigação adicional pode incluir uma ultrassonografia (USG) para monitorar o desenvolvimento dos quadris até os 6 meses de idade.  

Após isso, uma radiografia pode ser realizada para garantir que a articulação do quadril está se desenvolvendo adequadamente. Isso ajuda a detectar e tratar a DDQ precocemente, evitando complicações futuras.  

Mas, afinal, displasia de quadril em bebê tem cura? Veja como tratar displasia: 

Tratamento da displasia do desenvolvimento do quadril 

Aqui estão as opções de tratamento de acordo com a idade do paciente: 

Recém-nascidos e criança entre 1 a 6 meses de vida 

Nesses casos, o Suspensório de Pavlik pode ser usado para estabilizar a cabeça do fêmur e ajudar a direcionar o desenvolvimento correto. 

Crianças de 6 meses a 2 anos  

O tratamento pode envolver uma redução fechada do quadril sob anestesia geral, seguida por estabilização com gesso pelvipodálico. Em alguns casos, procedimentos adicionais, como tenotomias e redução aberta do quadril, podem ser necessários (a redução aberta do quadril pode envolver encurtamento femoral e osteotomias periacetabulares). 

Crianças com mais de 2 anos  

A redução aberta do quadril é geralmente necessária, muitas vezes incluindo procedimentos como tenotomias, osteotomia de encurtamento, osteotomia periacetabular e reorientação da porção proximal do fêmur. Isso ajuda a corrigir o alinhamento e a função articular. 

Em conclusão, a displasia do desenvolvimento dos quadris é uma condição complexa que requer diagnóstico e identificações precoces para minimizar complicações.  

Triagens regulares, principalmente para crianças com fatores de risco, e tratamentos adequados de acordo com a idade do paciente são essenciais para o desenvolvimento saudável do quadril. Com uma abordagem adequada, é possível garantir um tratamento mais simples e eficaz, promovendo uma qualidade de vida melhor para as crianças afetadas. 

Dr. Henrique Melo Natalin, ortopedista pediátrico e membro do corpo clínico da Orthop. 



Comentários