Post

Lesões de punho podem tirar tenistas de quadra

Dependendo da empunhadura do atleta e do excesso de uso das mãos, pode haver lesão em tendões ou ossos da articulação.

18/06/2019 08:38:18
Twitter     Facebook     Google     Linkedin
Lesões de punho podem tirar tenistas de quadra

Tenistas apaixonados pelo esporte e que frequentam as quadras de forma rotineira com certeza já precisaram descansar alguns dias obrigatoriamente por conta de alguma lesão.

Um levantamento analisou todas as lesões de atletas profissionais durante o US Open – um dos principais torneios mundiais de tênis – desde 1994 até 2009 e concluiu que a lesão muscular é o principal motivo que tira os tenistas de quadra.

A pesquisa aponta também que as lesões em membros inferiores foram maiores do que as dos membros superiores, sendo o tornozelo a articulação com maiores taxas de danos, seguido por joelho e pé. Nos membros superiores, punho, ombro e cotovelo são as articulações mais acometidas.

Principais lesões no punho

Entre os membros superiores, destaque para as lesões de punho, uma das articulações altamente exigida durante a prática da modalidade. O peso da raquete, o tipo de batida, os movimentos repetitivos e a falta de fortalecimento na região podem ser fatores que influenciam na lesão.

“Especialmente entre atletas amadores, recreativos, uma dor incômoda pode se tornar uma lesão grave se o paciente não buscar orientação de um ortopedista”, comenta o Dr. Frederico Balbão Roncaglia, especialista em Cirurgia da Mão, Traumatologia do Membro Superior, Microcirurgia e Cirurgia do Ombro e Cotovelo da Clínica Orthop de Ribeirão Preto/SP. 

As três principais lesões de punho entre tenistas são:

·         Na fibrocartilagem triangular: afeta o lado do dedo mindinho. Dependendo da empunhadura do atleta, o punho é forçado para fazer um giro desconfortável, causando uma distensão. O tratamento na maioria das vezes é o descanso e uma tala pode ajudar a acelerar a cura da lesão.  

·         No gancho do hamato: hamato é um osso do carpo da mão em que os tenistas costumam apoiar o cabo das raquetes para dar firmeza na empunhadura. Ao longo do tempo, pode causar fadiga óssea, estresse na região ou mesmo uma fratura completa. “O tratamento vai depender do grau da lesão, mas começa também pelo repouso e uma avaliação clínica eficiente”, comenta o Dr. Frederico.

·         Inflamação dos tendões: os movimentos contínuos do tênis podem inflamar os dois tendões do dedão ou mesmo o tendão extensor ulnar do carpo, limitando os movimentos que flexionam a mão para trás. “Casos muito graves exigem cirurgia, mas geralmente tratamentos não invasivos conseguem resolver a maioria dos casos”, afirma o especialista.

Outras modalidades que exigem muita força no punho são também o golfe e a bocha. O alongamento dessa região antes das partidas e mesmo um fortalecimento da região são essenciais para evitar as lesões.

Além dos atletas, a lesão de punho é um dano comum: “quando uma pessoa cai de frente, por instinto coloca as mãos no chão para proteger a cabeça. Dependendo da queda, a mão sofre uma extensão grave, podendo romper um dos ossos do antebraço”, explica o Dr. Frederico.

De acordo com o especialista, os principais sintomas que emitem um alerta ao paciente de que deve procurar atendimento médico são a dor momentânea, inchaço na região e limitação de movimentos. 

A partir de uma análise clínica e pedido de exames é possível um diagnóstico mais claro para a definição do tratamento mais correto para a lesão.



Comentários