Post

Dor nas costas pode ser tratada por equipe multidisciplinar

Ortopedista, fisioterapeuta e até mesmo psicólogo e nutricionista podem ajudar a curar dores crônicas

18/06/2019 08:00:27
Twitter     Facebook     Google     Linkedin
Dor nas costas pode ser tratada por equipe multidisciplinar

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 80% da população mundial sofre com dor nas costas, sendo o segundo motivo pelo qual os pacientes mais procuraram ajuda médica, atrás apenas das dores de cabeça.

Este levantamento da OMS mostra que o prejuízo causado por esse mal não é somente entre os pacientes, que em muitos casos tem seus movimentos limitados pela dor, mas também para empresas, já que a doença é a maior causa de afastamento do trabalho entre pessoas com menos de 45 anos de idade e também para os governos, que precisam desembolsar pagamentos de auxílio-doença.

Os motivos da lombalgia podem ser inúmeros, que vão desde hérnia de disco, infecção renal, fraturas ou infecções na coluna e tumores até serem causadas por movimento crônico ao carregar peso, torções, falta ou excesso de atividade física, obesidade, má postura, doenças reumáticas, desgastes das articulações, infecções dos discos invertebrais.  

“Cada caso é único e o diagnóstico correto deve ser feito por um médico especialista”, afirma do Dr. Humberto Bortolo Neto, ortopedista especialista em coluna da Clínica Orthop, em Ribeirão Preto/SP, que acredita que a grande maioria dos casos são tratados por terapias e medicação, excluindo a necessidade de processos cirúrgicos.

Ortopedista, fisioterapeuta, nutricionista e psicólogo: todos contra a dor

De acordo com a Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP), a dor é uma experiência sensitiva desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos.

É um estresse físico, mas também emocional. Por esse motivo, o ideal é que após diagnosticado pelo ortopedista, o paciente seja acompanhado também por outros profissionais, formando uma cadeia de tratamento multidisciplinar.

“Nosso papel é tratar a dor, acompanhando o paciente por completo, conhecer sua rotina para tentar descobrir o que está causando a dor ou piorando uma lesão”, explica Dr. Humberto.   

Saber o que está causando esta dor nas costas é fundamental para iniciar sessões de fisioterapia. O especialista vai realizar procedimentos pontuais para o alívio da dor e também sugerir movimentos de alongamento e fortalecimento da musculatura lombar, responsável pelo sustento da coluna.

O fisioterapeuta ensina aos pacientes exercícios que podem ser feitos em casa e correções de postura para atividades diárias, como sentar, trabalhar, carregar peso e dormir, agilizando a recuperação.

Outro profissional que pode ser incluído no tratamento é o psicólogo. As dores severas podem se tornar crônicas, acarretando em limitações de atividades e movimentos. Esse quadro intenso gera, algumas vezes, alto nível de ansiedade ou transtornos emocionais, colocando o paciente em um ciclo de dor sem fim.

Neste momento, muito além de medicamentos e fisioterapia, o paciente pode precisar de sessões de terapia, seja com um especialista psicológico ou terapias alternativas. “Não sabemos o que vem antes, se é o problema emocional que acarreta a dor ou se é a dor que ataca o emocional”, comenta Dr. Humberto.  

Por fim, outro profissional que colabora de forma ativa no tratamento da dor nas costas é o nutricionista. Em casos de pacientes que ganham peso muito rápido, por exemplo, há naturalmente sobrecarga na região lombar. Outra questão é com relação aos hábitos alimentares de que está sendo tratado.

Se o paciente tem algum tipo de inflamação na coluna, ele precisa diminuir o consumo de alimentos que podem piorar o quadro, como gorduras em geral, açúcares e carboidratos simples e ampliar a ingestão de outros tipos de alimentos que contenham substâncias que combatem a inflamação, como por exemplo, ômega 3 e alimentos antioxidantes.

Resumindo, a dor nas costas pode ser causada por motivos distintos e cada um deles recebe um tratamento. O importante é ter o diagnóstico correto para definir as ações que vão agilizar o processo de cura. 



Comentários