Post

Recuperação de artroplastia de quadril: principais recomendações

Recuperação total pode levar até 1 ano. Seguir as orientações corretas e ter cuidado com movimentos que exigem mais esforço podem agilizar o processo.

18/09/2019 06:01:03
Twitter     Facebook     Google     Linkedin
Recuperação de artroplastia de quadril: principais recomendações

Pós-operatório de qualquer tipo de cirurgia pode ser complicado se o paciente não seguir corretamente as instruções dos especialistas. Porém, dores e desconfortos podem ser amenizados se o tratamento for seguido à risca, reforçando até mesmo o bom trabalho dos médicos e agilizando a recuperação.

Para as intervenções de quadril, não é diferente. Os cuidados são essenciais especialmente para os pacientes que colocaram próteses – cirurgia conhecida como artroplastia de quadril - e que não podem ser deslocadas, exigindo que a operação seja refeita.

“O procedimento pode ser parcial ou total. Parcial quando somente a cabeça do fêmur é trocada e, total, quando substitui a região também da bacia. De acordo com a Sociedade Brasileira de Quadril essas próteses podem durar entre 15 e 25 anos, dependendo do nível de atividade do paciente”, explica o Dr. Thiago José Mari, médico ortopedista especialista em quadril da Clínica Orthop, em Ribeirão Preto.

Recuperação exige movimentos cuidadosos

A recuperação total depende de diferentes aspectos, entre eles a idade do paciente, a forma como o organismo responde à cicatrização, às habilidades que esse paciente apresenta em exercícios de fisioterapia, podendo variar de 6 meses a 1 ano.

No dia a dia, os cuidados precisam ser redobrados nos momentos que exigem um pouco mais de movimento, como usar o sanitário, sentar e levantar da cama ou da cadeira, entrar no carro, tomar banho. O importante é sempre buscar bancos ou apoios mais altos, evitando que se dobre muito a perna operada.

Algumas indicações mais comuns nas primeiras semanas do pós-operatório é não cruzar as pernas, não dobrar a perna operada em um ângulo maior do que 90 graus, não apoiar todo o peso do corpo na perna com prótese, assim como manter a perna com a prótese esticada, sempre que possível.  

Porém, já é possível realizar alguns leves movimentos desde o primeiro dia pós cirurgia, como exercícios de respiração, os que exigem movimentos dos pés em todos os sentidos, assim como alguns tipos de isometrias que podem ser feitos com o paciente deitado ou sentado, respeitando, claro, as orientações do profissional de fisioterapia.

Com a evolução do tratamento, são então propostos exercícios de marcha utilizando andadores, muletas ou bengalas. A reabilitação precoce auxilia na prevenção de complicações que podem acontecer quando o paciente fica com os movimentos muito limitados ou muito tempo em posição única, como trombose e problemas cardio-respiratórios.

“O importante é seguir as instruções dos profissionais envolvidos na cirurgia e pós-cirúrgico, além de retornos regulares com o ortopedista especialista em quadril capaz de avaliar a funcionalidade da prótese, o posicionamento dos implantes e analisar qualquer tipo de desgaste”, finaliza Dr. Thiago José Mari. 



Comentários